Lindsay Paulino: “Se ofende alguém, não é piada!”; leia a entrevista na íntegra

Foto: Edson Lopes Jr.

Na próxima quinta-feira, dia 18, o humorista Lindsay Paulino desembarca em Porto Alegre com o espetáculo “Rose, A Doméstica do Brasil“. Sucesso na TV e internet, a personagem Rose contará sua história no palco do Teatro do Bourbon Country. Os ingressos estão à venda no site Uhuu ou na bilheteria do local.

Rose é uma mulher batalhadora que ficou famosa por se tornar a doméstica dos gays depois que postou seu vídeo na internet cantando “Grelo“, paródia de “Halo“, da consagrada cantora pop Beyoncé. No espetáculo ela relembra sua história antes de ficar famosa: a infância, seus filhos, suas desilusões amorosas e um sonho com seu ídolo Amado Batista, contados com muita música ao vivo.

Em entrevista ao No Palco, Lindsay contou mais sobre a personagem, planos para seu outro sucesso, a Xuxeta, e também os limites do humor. Leia abaixo:

No PalcoRose é a cara da classe das domésticas. Pessoas extrovertidas, sempre com um sorriso estampado no rosto, apesar dos problemas. Como foi o processo de criação da personagem? Qual foi a inspiração?

Lindsay – Eu sou mineiro, do interior de Minas. Isso acaba dizendo muito coisa. Eu criei o personagem observando minha mãe, minha vó, minhas tias… a Rose é uma mulher comum do norte de Minas, comum no sentido de que existem várias Roses por lá, só mudam de nome e profissão.

Como é a reação das pessoas na rua ou no teatro, você recebe depoimentos de que existem pessoas iguais a Rose?

Eu recebo muita crítica positiva em relação a personagem. As pessoas se identificam muito. Apesar de Rose ser conhecida pela profissão ela não deixa de ser mãe, amiga, e todas essas características de uma mulher comum brasileira. É muito legal ver a reação do público no teatro quando Rose conta suas histórias da infância e todo mundo cai na gargalhada. Apesar do nosso país ser tão plural, e cada região com sua cultura regional bem marcante, 90% das histórias contadas na peça diz muito sobre o brasileiro e todo mundo se identifica. Eu sou muito feliz por fazer um trabalho no teatro que mexa tanto como o passado das pessoas de uma maneira leve e feliz. É uma viagem no tempo com gostinho de infância que todo mundo sai nostálgico do teatro.

Como é a peça? Pode nos explicar um pouco? O que o público pode esperar?

A peça conta a história da Rose antes da fama. Numa sexta-feira comum ela fica sem dinheiro para ir trabalhar e passa o dia em casa arrumando sua bagunça. Então ela acaba lembrando de todas as coisas que passou na vida, e leva o público numa viagem ao passado que é impossível não se identificar. Tudo isso com muita música ao vivo e riso garantido. Sem contar que é um espetáculo para toda a família. As crianças amam e os idosos também.

E sobre a Xuxeta, terá algum projeto para está personagem no futuro?

Por enquanto a Xuxeta fica só na tv mesmo. Nesse ano de 2019 vamos gravar a quarta temporada da série Xilindró no Multishow com estreia para o ano que vem. Tenho planos de levá-la sim para os palcos mas quando isso acontecer quero que seja á altura do espetáculo da Rose, que modéstia parte é minha obra prima. O público ama o personagem, por isso quero escrever um bom texto e não só sair por aí “batendo 3 palmas” como a própria Xuxeta diz.

No momento o país passa por grandes problemas sociais, como racismo e homofobia. Para você, o quão importante ter duas personagens, ambas minorias, com tanto sucesso na TV?

Representatividade. Eu, como LGBT e pessoa pública, toco nesses assuntos através dos meus personagens, da minha arte. Ter um LGBT fazendo sucesso na tv é muito importante! Eu estou dando voz à essas pessoas e mostrando que é possível o sonho de muitas delas. Estou em aprendizado constante sobre fazer humor nesse mundo com tanta desigualdade e preconceito. Se ofende alguém, não é piada! Isso é o que venho buscando para com o meu trabalho. Em tempos tão difíceis, fazer o outro sorrir é um super poder que Deus coube a mim.

ROSE, A DOMÉSTICA DO BRASIL – Porto Alegre

  • Quando: 18 de abril, quinta-feira, às 21h (véspera de feriado)
  • Onde: Teatro do Bourbon Country (Av. Túlio de Rose, 80 – Shopping Bourbon Country)
  • Ingressos: a partir de R$ 120
  • Venda online: Uhuu