Tavi Tavi/Depois de um passeio com sua sobrinha

A Tavi resplandecia felicidade em calmaria

Ela tem a idade que lhe interessa

Dorme, se aconchega, o sono tem pressa

De ser sono

De ser abandono

De ser alteração de consciência e tempo

Num absoluto minuto redondo

De uma gota suspensa

Ela me ama – diz sonambulando – mas expressa o que pensa?

Ou que não está pensando?

Ela dirá: o amor é a maior crença

Ela dirá: amor é o cristal que adoça  o fruto

E lava JESUS em água corrente

Sem luto

São as copas das árvores de bruços

A eternidade de barriga pra cima

A beleza dos cavalos em seu dorsos

Mas a romã é do rouxinol irmã

Que mata a matemática do anzol

Transmuta uma concha em sol

Transmite o requinte angélico

De presentes e mimos

Na debulha do trigo

Na flor explosiva

Na lascívia

Do néctar do figo

No som esotérico

Dos sinos

Acima de nós

E em nós.

Everton Cidade

Everton Luiz Cidade é poeta. Autor de Santo Pó/P, O Bonde Transmutóide e QuiÓ. É vocalista da banda Siléste.