Ouvindo a música da EX, a banda do amor mais alto

Ouçam com cuidado! A beleza dessa música nos fere de forma avassaladora. Nos vemos refletidos nas músicas num ritual empírico. Vozes do além. Vozes de além-mar. Vozes ancestrais. O silêncio de nossos segredos quebrados. Nossos segredos domésticos. Nossos segredos mais humanos. Nossos amores revelados na eternidade. Nossos segredos são luminosos. Nós somos efêmeros como as mágoas. A música da EX é a ÓPERA DOS DESVALIDOS. Fustigados estamos através das telas, através dos améns para joões-ninguém emulando uma liberdade patrocinada por uma juventude tardia criando novos preconceitos de alegria cômica e cosmética. A música da EX é o oposto disso. E música pra festejar com as bruxas. Música pra assoviar nos vendavais.

Emprestei de RIMBAUD essa expressão. RIMBAUD era uma bruxa. E RIMBAUD cabe nesse contexto. Assim como ARTAUD, JOANA DARC, PAGU, LYDIA LUNCH, HILDA HILST, LOU REED e SALOMÉ. A música da EX  é a sinceridade do sol. É nossa alma revista como se fossemos estrangeiros de nós mesmos.

Os shows da EX são missas, na falta de um termo melhor, com um padre punk conduzindo gentilmente seus amigos ao êxtase. E uma missa de corpo. De dança e esperança ampliada ao espírito. Não é sacro porque usa outra língua. E língua do amor. Do abraço fraterno. (SIM, AS PESSOAS SE ABRAÇAM E CHORAM EM SEUS SHOWS!!!)

E durante a catarse, dançamos e bendizemos onde estamos e com quem estamos.

A EX, na gravação do SEGUNDO DIA é: Guilherme Klamt, Thiane Nunes, Rafael Martinelli, Cristiano Sertório, André Flores e Rodrigo Souto.

(em memória de Rodrigo Souto)

Seguem os links para escutar as músicas:

 

 

 

 

Everton Cidade

Everton Luiz Cidade é poeta. Autor de Santo Pó/P, O Bonde Transmutóide e QuiÓ. É vocalista da banda Siléste.