2018\RESPIRO EM APARELHOS, POR CULPA DE UM VAMPIRO

Ele se recusa a ser extinto

Mesmo sendo o mal

Sendo a epidemia

Sendo a teimosia

Sem epifania

Sendo a estupidez

Divosa e degenerada

Selvagem e insatisfatória

Essa crise não dará

Num futuro glorioso

É só um crime vergonhoso

Que devora e cospe sem desconforto

Meu nutritivo coração natimorto –

E o meu irmão? – o mataram

Ele achava que esclarecimento

Era iluminação

Não mais, agora.

Agora, é pouco antes

Da aurora

Virar desaparecimento.

Everton Cidade

Everton Luiz Cidade é poeta. Autor de Santo Pó/P, O Bonde Transmutóide e QuiÓ. É vocalista da banda Siléste.