Autorretrato da alma

AVISO: EU SOU NOCIVO

UM DEMÔNIO CHAPADO DE OZÔNIO

DONO DE UMA SELVAGERIA DEMODÉ

DE UMA TIMIDEZ VIOLENTA

OH – MEU DEUS – SOU AINDA TÃO ANOS 90

A QUEM NÃO ME SUPORTA:

VECÊ ESTÁ CERTO – EU SOU UM IDIOTA

IMPLORO AOS MEUS PARES

QUE ME IMOLEM EM SEUS ALTARES

EU NÃO SOU DORYAN GRAY

EU SOU O RETRATO DE DORYAN GRAY

UM NARCISO IMPRECISO

UM DESCENDENTE DO DESCONFORTO

UM CAVALO FRACO PARA MEUS OBSSESSORES

RALÉ – MAS DA HONRADA RALÉ

DOS MEUS ANTECESSORES

EU DEVERIA ESTAR MORTO

EU ESTOU MORTO

SÓ QUE QUANDO ÉBRIO

É DIFÍCIL PERCEBER

SOU UM ESTORVO RUIDOSO

EU ME ARREPENDO EU ME DESCULPO

MAS NÃO ME ABSOLVO

EU ME PUNO

EM ATAQUE DE PÂNICO

COMO UM PUMA NUMA

JAULA DE CHUVA

A REJEIÇÃO ME ANULA

A REJEIÇÃO ME CABE

FEITO LUVA

OU ESCALPO.

Everton Cidade

Everton Luiz Cidade é poeta. Autor de Santo Pó/P, O Bonde Transmutóide e QuiÓ. É vocalista da banda Siléste.