Janela

Janelas

foto no palco 4_Fotor_Collage
Os olhos são janelas das almas: Já nelas repousam infinitudes e mesmo que furássemos os olhos de nada adiantaria, pois o que vemos não se vê com os olhos de ver.
A consciência absoluta de ser… Já nelas há esse saber: O que se é e o que se sente… Independentemente. Antes fosse possível pelas janelas não ver.
Janelas fechadas ou pela mão de Morfeu cerradas: Já nelas há mais e mais: Há tantas faces onde já nelas houve tanto sal… Marcas de imemoriável mal.
Janelas sozinhas abertas incertas quietas: Já nelas percorrem mãos que queria minhas e nos gestos vacilantes de terno carinho abre-se outra janela e já nela outro caminho.
Na janela há tua boca que trêmula se oferta e quando pelos meus lábios aberta revela a visão do desconhecido… Sentimento nunca antes sentido.
Anjos loucos escapam pela janela do céu. Buscam nossas almas e já nelas descansar.
Habitam-nos e nos usam sem pudor. Buscam compreender como pode o amar.
E para que consentamos, amor, ungem-nos de divino mel.
Por isso minha língua invade inquieta: Tua pele, teu gosto, tua janela aberta.
Janelas abertas onde já nelas é possível ver ruas, casas e prédios
Somo-nos a cura para essa enfermidade que nos tortura
Pelas mesmas janelas vê-se o sol, o céu e o mar tal como remédios.
Mesmo que arranca-se da face os olhos que a terra há de comer.
E as janelas fechassem-se e já nelas postas cadeias para conter…
De que serviria, de que maneira a superficialidade de uma tranca adiantaria?
Se está em nossas almas e já nelas nascem as íris inquietas do além ver?

Jonatan O Borges

Créditos da imagem:

A paisagem foi em Vitória-Es, foto tirada pelo amigo Luciano Fernandes

O quase palhaço foi na festa de aniversário do site em questão, foto tirada por Louise soares.

Jonatan O Borges

Jonatan O Borges - "Corpos (IN) Versos". – Poeta performático, ator, mediador de leitura (Proler), contador de histórias, editor de conteúdo da Entreverbo Revista, Ativista cultural, filho da lua e ser aberto à possibilidade da existência de tudo.