Poema Receita-Medida Incerta

Que tal uma receita de si mesmo?

Medida incerta
Gosto de pensar-me como uma receita sendo criada. Um prato novo. Nas mãos ardilosas e criativas de um gourmet tomado pela loucura:

Na alma uma pitada de açúcar e sal
Doses generosas de bondade
E, assim mesmo, paradoxal
A mesma quantia de maldade.

4 Copos bem cheios de medo
Que não seja tanto que paralise
Nem tão pouco que não sentisse
A medida tem de ser exata (a dedo).

Uma xícara de coragem tem de ter
Por ser tempero atípico e muito forte
Só o bastante para enfrentar a morte
E para quando preciso nada fazer.

No coração é preciso acrescentar
O ingrediente mais indispensável
Sem muito cuidado uma incontrolável
Vontade de sempre ser amado e amar.

Pincelar o corpo todo com inquietude
E não há como esse ser a isso mude
E vezenquando o corpo sairá por si só
Tentando desfazer o malfadado nó

Que o gourmet (após o recheio)
Atou bem fundo dentro do peito
Sufocando o recheio tão bem feito
Logo onde foram colocados meio a meio:

1 Kg de muita interrogação
Outro Kg de respostas se sentido
Fazendo com que a receita/criação
Saia a buscar coisas que já tenha tido.

E não foram percebidas quando vieram
Culpa das 2 colheres grandes de desatenção
Colocadas ali por acidente, pois não eram
Para ficarem tão perto do coração.

Nas mãos muito, mas muito fermento
Pra fazer crescer um inglório talento
Acarinhando a vida ao escrever
E só escrevendo conseguir ser.

Nos olhos infinitos litros pra derramar
Em longas e escuras noites a chorar
Prantos incontidos de alegria e tristeza
Porém sozinho pra manter a macheza;

Receita misturada com muito molho
E como homem educada
Isso? Não é lágrima derramada…
É um cisco que caiu no olho.

Após todos os ingredientes
Devidamente misturados
Repousar em braços carentes
E por urgência untados.

Decorar com um olhar triste
Por não entender por que existe
No firmamento tantas estrelas
Sendo as íris incapazes de colhê-las?

Servir em uma infância incontida
E após quem sabe ter crescido
Levar ao forno/mundo pré aquecido
E deixar assar pelo tempo de uma vida.

(Jonatan O Borges)

Que tal uma receita de si mesmo?
Poema Receita-Medida Incerta

Jonatan O Borges

Jonatan O Borges - "Corpos (IN) Versos". – Poeta performático, ator, mediador de leitura (Proler), contador de histórias, editor de conteúdo da Entreverbo Revista, Ativista cultural, filho da lua e ser aberto à possibilidade da existência de tudo.