Tequila Baby No Festival do Balonismo de Torres? Pra Você Ficar Por Dentro.

Todos Sabem que os Eventos ao Ar Livre levam muitas pessoas para as praias do RS, geralmente com programação de verão e com algum evento fora da Temporada, como o Festival do Balonismo de Torres e o Capão Fest (Capão da Canoa) O problema é que nestes eventos, utilizando verba pública, se prioriza atrações de fora do RS, Deixando os artistas do Estado e principalmente os Artistas LOCAIS de fora do evento, ou, quando são convidados, com cachês simbólicos.

11094041_10153067488576141_906216323_n

 

Eu não preciso ser um Expert em Economia para analisar isso e ver um erro grotesco de investimento econômico, ora pois… Se o dinheiro é público, do Estado do RS, da Prefeitura, NÃO SERIA MAIS INTELIGENTE TRAZER TALENTOS REGIONAIS E INVESTIR NOS LOCAIS? O Dinheiro fica no RS, Com Nossas Grandes atrações a presença de público é garantida e a cidade começa a descobrir também seus artistas, a economia gira e este dinheiro não entra num avião e vai parar em outro estado, FICA NO RS!!! A seguir, duas postagens sobre como andam as dúvidas a respeito destes investimentos das duas prefeituras, seria interessante investigar.

– Lauro Titone (Capão da Canoa)

A prefeitura de Capão da Canoa confirmou a apresentação de Michel Teló no próximo Capão Fest. Não sei quanto será pago, ainda não sabemos quanto foi pago ao Victor & Léo e ao Daniel nos anos anteriores, por tanto, acho que continuaremos sem saber…

Entretanto, sabe-se que não será pouco, um investimento altíssimo com retorno garantido?

Antes de mais nada, não sou contra grandes eventos nessa cidade, muito pelo contrário, precisamos ter cada vez mais eventos deste nível, porém, há situações que tiram um pouco do brilho dessa realização.

Primeiro, nunca sabemos o quanto é pago para os tais artistas nacionais, mas sabemos o que NÃO é pago aos talentos locais, que hora tocam de graça, hora recebem bem abaixo do que está descrito no recibo (estranho)… Apoiar músicos regionais não diminui a importância de um festival. Pode-se trazer o mesmo número de público, gastando bem menos, e com a garantia que o valor investido se mantém por aqui, gerando emprego e renda à toda a cadeia produtiva que envolve os artistas.

Segundo, enquanto se investe toda essa verba em shows como esses, temos escolas com salas interditadas desde o ano passado e creches sem água e papel higiênico para as crianças. Será que é preciso aguardar o lucro que o show do Teló vai trazer para a cidade para organizar isso? Também tem medicamentos faltando na farmácia municipal, sem falar da falta de especialistas no posto de saúde… Será que vai dar pra resolver isso com o lucro do “Ai Se Eu Te Pego”?

Ou será que poderíamos, primeiro, resolver essas situações básicas e apostar em eventos com músicos mais baratos, regionais e ainda assim muito mais talentosos que um cara de duas músicas?

Novamente, nada contra o Michel Teló e aos eventos realizados pela prefeitura, mas vamos pensar melhor antes de gastar, pra depois não ter que aumentar ainda mais o IPTU… Não vou nem citar o chafariz que está sendo construído em plena crise hídrica de outros estados (o que é isso? Ostentação?).

E pra quem pensa que esse show é de graça e temos que aproveitar, não é de graça nada, está sendo pago com dinheiro NOSSO! Então aproveitem mesmo, aproveitem pra valer, mas não sem antes refletir.

– AMUT (Torres)

carta_festival

Duda Calvin

Vocalista da banda de Punk Rock Tequila Baby, Duda Calvin também é professor de história formado pela UFRGS e recentemente na PUC.