Andamos, mas não saímos do lugar – Stranger Things 2ª Temp

Critica

A segunda temporada de Stranger Things era tão esperada quanto uma temporada de Game of Thrones, tamanho sucesso é extremamente justo tendo a vista a enorme facilidade que a primeira temporada arrematou fãs por todo mundo, também pudera, pegar as principais referências da juventude do maior público do Netflix e jogar tudo numa série que usa os três elementos principais de uma história de terror. Crianças, o monstro e estilo.

Partindo disso, o que posso dizer que é o maior problema dessa série é a falta de um antagonista forte, porque crianças e estilo, temos. Apesar de saber que ele estava dentro do Will, a quantidade de protagonistas e coadjuvantes em relação ao poder de destruição do antagonista deixou a desejar. Sem contar que os personagens tiveram uma leve curva na sua complexidade deixando apenas para a Eleven/Jane (e não ONZE, viu NETFLIX), a maior parte de desenvolvimento narrativo, o resto é apenas a mesma coisa, o will em apuros, todos tentando ajudar, laboratório, doutor, mundo invertido, portal, Dermogogon, Eleven vem no final e salva todo mundo. Antes que comece o mimimi, não restou maldizendo a série, apenas comparando ela em relação a ela mesma. Claro temos o impacto da imprevisibilidade da primeira temporada, portanto a expectativa pra essa era grande.

Em relação a roteiro, da pra ver que a série se encaminha pra algo maior, algumas cenas fora de Hawkings, a inserção da Terry (Eight), as publicações das histórias nos jornais e o Shadow Monster que se mostrou ser gigante nos predispõe a entender que a 3ª temporada vai ser bem maior em tudo.

Entendo que precise do desenvolvimento da história pra poder chegar com êxito no final da história sem nenhum deus ex-machina, mas ainda ficou uma pulguinha atrás da orelha que a segunda temporada foi um gigante episódio de 8 horas. Um pouco de medo de essa "enrolada" ficar presa a quantidade de dinheiro que essa série tá gerando, mas vamos aguardar e ver o que acontece, o que me deixa mais fechado com essa teoria é que essa temporada não me disse nada de novo, a morte do Bob, morte da Barb, triangulo amoroso, Steven/Johnatan/Nancy, Demogorgon. Parece que o tempo só passou pra Joyce se apaixonando pelo eterno Sam.

Em relação a fotografia e direção de arte, eles mantém o mesmo padrão de imersão nos anos 80, juntos com os walktalkies, telefones fixos e outros objetos que nos remetem a uma certa nostalgia.

A segunda temporada veio, aconteceu, e praticamente não mudou nossas vidas e isso nos faz pensar se foi a melhor estratégia. trabalhar esse desenvolvimento, a franquia perde em fãs, não, deve até ter ganho mais, mas ficou um gostinho de faltou um pouco mais de tudo.