Juntou todo mundo, e agora o que fazemos? – Os Defensores 1º Temporada (Crítica)

Critica

[Contém Spoiler]
Os Defensores veio com uma estirpe excelente das séries individuais do universo de séries da Marvel. Todas elas nos deram motivos para acreditar que o crossover ia ser de tirar o fôlego, só que não foi, aliás, o maior problema está no ritmo e falta de ação.

A história começa um tempo após o final de cada temporada individuais dos quatro e no primeiro episódio vemos os personagens se reinserindo as suas rotinas de não heróis, tentando ter uma vida normal. E mesmo tentando fugir dos seus passados, eles acabam sendo sugados pra trama da temporada, justamente pelo que estão fugindo. Sem muito pano de fundo, os 4 acabam se encontrando ao desenrolar de suas investigações particulares e acabam descobrindo que estão atrás da mesma organização. Com cenas sazonais de lutas e com muitos cortes e poucos planos sequências que já foram marcas desse universo, o seriado se torna lento e chato, quando os egos começam a falar mais alto e os conflitos internos de cada um começam a interferir de mais no ritmo da trama.

Outro grande problema na série, é a falta de um grande vilão. A grande organização criminosa acabou sendo muito mal representada por sua líder, Alexandra (Sigourney Weaver's). Um papel que ela não conseguiu atingir toda a magnitude que o Tentáculo representa, e que ficou meio estereotipado somente nas narrativas dos mocinhos. Apoiado em uma única grande arma letal, a Elektra, acabou sendo pra mim a maior furada do seriado, onde com muitas reviravoltas, com objetivo do Tentáculo quase sendo alcançado por uma vingança pessoal da ex aprendiz do Stick.

Não posso dizer que a série é falha e que não olhem, pra quem gosta dos 4 heróis, vale a pena conferir, o que espero é que nas próximas temporadas, tenhamos mais lutas, violência e ação, algo que foi cunhado nas séries desde o início e que nos acostumamos com as cenas maravilhosas de lutas e vigilâncias.