Flash 3ª Temporada

Critica

Precisamos falar sobre o Flash. [Contém Spoiler] Flash finalizou a sua terceira temporada repetindo a mesma fórmula de sempre e isso está entediando os telespectadores e essa formula tem uma pequena grande falha. A falta do fio condutor da série, saber onde começa e onde pode terminar.

E porque eu digo isso, todo nós sabíamos  que a Iris não iria morrer, só precisávamos saber como e quando eles iam conseguir, e no fim acho que esse é o único ponto forte da história, e que acabou culminando no desfecho do melhor e único desafogo e no mais importante personagem dessa temporada, o HR. Ele com certeza foi o que de melhor aconteceu nesta temporada, o seu personagem, mesmo não sabendo nada de ciência, e se auto entitulando, de romancista, conseguiu trazer um alívio cômico perfeito ao modorrento sofrimento de Barry na jornada de salvar a sua amada. Que por sinal, casalzinho que não faz sentido e ela totalmente sem sal. Voltando a falta de objetivo, a temporada inicia no flashpoint, em outra linha do tempo, ele volta pra linha do tempo "normal"e descobre que tudo mudou, algumas coisas foram alteradas, como a morte do irmão de Cisco, entre outras coisas menos importante, como o sexo do filho do John Diggle do Arrow, só pra mostrar que interferiu em outra realidade, mas que é algo totalmente sem importância pra série. depois conhecemos alguns vilões meta-humanos fraquinhos pra preencher espaço que são manipulados pelo Alquimia, que é o Malfoy do Harry Potter,, aliás, achei legal o trabalho dele desenvolvendo o personagem e bem interessante e o envolvimento com a Katlyn Snow. Depois sabemos que o Alquimia e comandado pelo Savitar e que esse foi preso pelo Barry no futuro e voltou pra se vingar. Temo o antagonista da série, temos? Depois temos um crossover gigante de invasão alienígena (WTF??) pra dar uma "desafogada", uma visita a terra dos gorillas, depois eles enrolam mais um pouco com a força de aceleração, onde o Jay fica preso pra salvar o Wally, ai temos o Barry indo pro futuro pra tentar descobrir quem é o Savitar, pra no antepenultimo episódio descobrir que ele tava zoando com os caras falando I'm the future flash, pq ele era o flash do futuro literalmente e não figurativamente faltando e no fim a Iris dar um tiro nas costas do homem mas rápido do mundo e ele morrer ali. Ah mas como o Savitar era o Future Flash? E ele tinha que voltar no tempo pra matar a Iris e o Flash prender ele com a ajuda dos remanescentes do tempo, só que Savitar não poderia matar um dos remanescente, porque é ele no passado que vai ficar amargurado por todos terem deixado ele de lado e ai se tornar o Savitar pra poder matar a Iris pra se vingar do Flash e fazer com que o Flash crie os remanescentes do tempo pra lutar contra o Savitar e um seja esquecido pra se tornar o Savitar e ele volte no passado pra matar a Iris pra o Flash querem prender ele na Força de aceleração com a ajuda dos remanescentes, mas um não morre e ele fica tristinho porque todos deixam ele de lado.... e a história se repete infinitamente num loop temporal. E ironicamente que encerra esse loop temporal? A Iris matando o Savitar, que ironia, não? Mas voltando a minha posição lá em cima, falta objetivo não pros personagens, mas pros roteiristas, pra direção, pra produção, falta um pouco mais de originalidade, estamos na terceira temporada e temos 3 4 flashs do bem, Barry, Wally, Jay e Jesse. Tudo isso em 3 temporadas, imagina se chegar na décima? Eu achei genial esse flash ser mais jovem dos que os outros, e começar já numa segunda linha do tempo, ter um ar mais jovem, mais adolescente, o drama adolescente é legal, caiu bem em Smallville, só que em Smalville, tinhamos um objetivo na série, sabiamos que Lex Luthor, Braniak seriam os grandes vilões, e sabiamos que ele não ficava com a Lana, mas apesar de tudo, a história foi bem desenrolada, com um pouco de cada vez, no Flash, parece que a produção também quer ser a mais rápida do mundo, com o perdão do trocadilho e está atrolhando de histórias paralelamente fracas e tapa buracos. Flash parece ser uma série antagonica por temporada, e não segue um fio condutor que tenha inicio meio e fim. Parece que é tudo um meio sem rumo.