Ospa apresenta a ópera “Carmina Burana”, de Carl Orff, em duas sessões no Araújo Vianna em dezembro

Ospa apresenta "Carmina Burana", de Carl Off em duas sessões no Araújo Vianna. Foto: Daniel Boucinha
Ospa apresenta “Carmina Burana”, de Carl Orff em duas sessões no Araújo Vianna. Foto: Daniel Boucinha

Uma das peças mais memoráveis da música ocidental poderá ser apreciada na íntegra pelos porto-alegrenses no mês de dezembro. A Orquestra Sinfônica de Porto Alegre se prepara para apresentar “Carmina Burana”, de Carl Orff (1895-1982), sob a regência de seu maestro e diretor artístico Evandro Matté. A obra ganhará montagem com orquestra, coros, solistas convidados e dançarinos no Auditório Araújo Vianna nos dias 3 e 4 de dezembro, às 20h30 e às 18h, respectivamente. Trata-se do grande destaque da Temporada 2016 da Ospa. Os ingressos custam R$ 30, e serão vendidos a partir do dia 23/11, quarta-feira, nas Lojas Multisom, e nos dias das récitas, na bilheteria do local. O Banrisul é o apresentador oficial do evento.

“Carmina Burana tematiza os desejos, as conquistas e as frustrações das pessoas. É uma metáfora da vida, exposta à constante mudança, e, por isso, uma obra atual”, comenta o maestro Matté. A peça, estreada em 1937 na Ópera de Frankfurt, é inspirada em poemas satíricos, com críticas às autoridades e à hipocrisia, e também em canções de amor e de taberna – textos encontrados em um manuscrito do século XIII.

“Em geral, a composição é apresentada em forma de concerto. Um dos diferenciais da produção da Ospa é a participação da Cia. Municipal de Dança de Porto Alegre na montagem, que será completa”, afirma Matté. A coreografia está sendo elaborada por Ivan Motta.

No time de mais de cem vozes que darão forma a trechos famosos como o apoteótico coro de abertura e finalização da obra (“O Fortuna, Imperatrix Mundi”), estão o Coro Sinfônico da Ospa, o Coro Jovem da Escola de Música da Ospa, o Coro Allegro Unisinos e três solistas brasileiros que estão cativando plateias mundo afora: a soprano Gabriella Pace, o tenor Flávio Leite e o barítono Homero Velho.

CARMINA BURANA
Carmina é o plural latino de “carmen” – poema, cantiga, verso. O manuscrito, escrito em latim e alemão medievais, que contém os carmina burana foi encontrado em Benediktbeurn, na Bavária. Na obra de Orff (uma seleção de pouco mais de duas dezenas de poemas), dividem-se em sete grandes seções: “Fortuna, Imperatriz do Mundo”, “Na Primavera”, “Nos Prados”, “Na Taberna”, “Corte de amor”, “Banziflor e Helena” e de novo “Fortuna, Imperatriz do Mundo”. A composição é emoldurada por um símbolo da Antiguidade – a roda da fortuna, eternamente girando, trazendo alternadamente boa e má sorte.

A mais famosa produção de Orff foi concebida como uma cantata, forma que possibilita o trabalho cênico. É constituída de coros e árias para solistas, além de trechos puramente instrumentais.

 

ORQUESTRA SINFÔNICA DE PORTO ALEGRE (OSPA) apresenta: “CARMINA BURANA”, de Carl Orff
Dias 03 e 04 de dezembro de 2016.
Sábado, às 20:30 e domingo, às 18 horas.
Auditório Araújo Vianna – Avenida Osvaldo Aranha, 685 – Parque Farroupilha – Bairro Bom Fim – Porto Alegre/RS
Realização: Ospa, Fundação Cultural Pablo Komlós e Sedac/RS
Patrocínio: Corsan e Banrisul (via Lei Federal de Incentivo à Cultura)
Apoio: Lojas Multisom

INGRESSOS
Inteira – R$ 30,00
Meia Entrada – R$ 15,00

– 50% de desconto para seniores, estudantes e titulares do cartão Clube do Assinante ZH.

PONTOS DE VENDA
A partir de 23/11, nas Lojas Multisom da Praça da Alfândega e dos shoppings Praia de Belas, Iguatemi, BarraShoppingSul, Moinhos de Vento e Total; e nos dias das récitas (3 e 4/12), na bilheteria do Auditório Araújo Vianna, a partir das 13h30.


PROGRAMA

Carl Orff: Carmina Burana

Regência e direção musical: Evandro Matté
Solistas: Gabriella Pace (soprano), Flávio Leite (tenor) e Homero Velho (barítono)
Participações: Cia. Municipal de Dança de Porto Alegre (coreografias de Ivan Motta), Coro Sinfônico da Ospa (regência de Manfredo Schmiedt), Coro Jovem da Escola de Música da Ospa (regência de Cosmas Grienesein) e Coral Allegro da Unisinos (regência de Francis Padilha).