Itaú Cultural abre inscrições para edital do Rumos 2015/2016

Em coletiva para a imprensa encerrada no início da tarde desta segunda-feira, em São Paulo, o Itaú Cultural anunciou a abertura de novo edital do seu progama de fomento, o Rumos 2015/2016 (17ª edição, a segunda com formato aberto). As inscrições podem ser feitas a partir desta terça-feira até as 23h59min do dia 6 de novembro pelo site.

Foto: Ivson Miranda
Foto: Ivson Miranda

A divulgação dos selecionados acontece no dia 10 de maio de 2016. Conforme o diretor do Itaú Cultural, Eduardo Saron, as novidades deste edital em relação ao 2013/2014 foram a criação de modalidades para a inscrição: Criação e Desenvolvimento, Documentação e Pesquisa, aprimorando o formulário de perguntas e respostas do site, com 26 questões básicas, além da incorporação de 30 avaliadores extras para a leitura dos projetos inscritos antes de chegarem à comissão de seleção formada por 20 pessoas, 11 da comunidade artística e nove do Itaú Cultural.

“Este momento da divulgação do edital por entrevista coletiva já é um clássico pela necessidade e vontade dos pesquisadores e artistas de o conhecerem. Vamos manter o modelo que inauguramos em 2013, no qual apoiamos e temos o mínimo de interferência, com as definições sendo dadas pela cena cultural e não pela instituição. Esta dinâmica gera uma complexidade maior, mas respeita os agentes culturais e não reforça vícios de formatação”, explica Saron, que integrou a mesa de apresentação, junto com Ana de Fátima Sousa, gerente de Comunicação do Itaú Cultural; e os integrantes da comissão de seleção do Rumos, o cineasta Jeferson De e o crítico e pesquisador teatral Valmir Santos.

Saron lembrou que no edital 2013/2014 foram 15 mil inscritos e 101 projetos selecionados, dos quais seis foram gaúchos. “Segunda pesquisa do Observatório Itaú Cultural do total de proponentes 30% nunca haviam tentado se inscrever em outro edital e 97% consideraram o regulamento na forma de perguntas e respostas um auxiliar na compreensão do processo de inscrição”, destaca, reiterando que o aporte total para o edital é de R$ 15 milhões.

Ana de Fátima recorda que os critérios de avaliação continuam sendo a singularidade, relevância e consistência do projeto. “Não temos teto mínimo ou máximo para cada projeto, como era os R$ 400 mil do edital anterior. A gente quer conhecer bem a proposta e o seu foco de atuação. O prazo máximo de execução, isto é uma novidade, será de 36 meses a partir da assinatura do contrato”, diz.

Jeferson De salienta que o programa já contemplou artistas negros como Emicida e Zinho Trindade e que ele está feliz por integrar a comissão e ser sujeito da construção do fomento às artes com um olhar a mais para o negro e para a cultura afrodescendente. “Este tema não é e nem será uma preocupação momentânea do Itaú Cultural e de outras instituições”, revela.

Já Valmir Santos comenta que o edital 2013/14 teve a capacidade de ir além como foi o caso do projeto Memória João das Neves, da área de Documentação e Publicação, que acabou avançando para uma Ocupação João das Neves. “No caso de dois projetos sobre o artista Hudnilson Jr. houve interação e também um grande diálogo com países sul-americanos. O edital mostrou-se poroso, um organismo vivo”, ressalta.

O edital 2013/2014 rendeu a Mostra Rumos, que está sendo exibida desde a última quinta, de terça a domingo, na sede do Itaú Cultural (avenida Paulista, 149) e fica em cartaz até 25 de outubro, além de atividades semanais com artistas e projetos selecionados no edital anterior. Entre estes trabalhos estão “tranS(obre)por”, do gaúcho Marcelo Armani, um mapeamento de paisagem sonora; e “Precisa-se do Presente”, da paraense Berna Reale que propõe performances e documentação de deslocamentos até países que compõem os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

 

Por: CP